Viagem / 19 de fevereiro de 2016

Carnaval na Praia do Bonete: A Saga

Já fazia um tempo que estávamos ensaiando uma viagem um pouco mais longa e quando finalmente achamos um lugar disponível por um preço que fazia sentido, reservamos sem pensar duas vezes. Deixamos pra procurar de última hora e foi tão difícil que quando a gente viu que teria que fazer uma trilha de 12km pra chegar no lugar, aquilo nem pareceu um empecilho.

Risos.

Bonete é uma praia isolada no sul de Ilhabela, São Paulo. Não tem como chegar lá de outro jeito se não de trilha ou de barco. É uma praia de areia clara e mar agitado, ladeada de árvores chapéu-de-sol. Nas pesquisas, vi que foi considerada pelo The Guardian como uma das dez praias mais bonitas do Brasil. Com o advento da internet, descobri também que Bonete é casa de todos os borrachudos do Brasil e não tem energia elétrica. Danilo obviamente ficou ainda mais empolgado quando soube das dificuldades e me convenceu de que seria uma aventura daquelas legais de contar pros filhos. Decidimos ir. De trilha.

Sempre achei essa coisa de andar/correr/escalar quilômetros deveras peculiar porque depois que você chega, sua única opção é voltar e isso me parece meio… cansativo. Agora porém que sou fitness e consigo correr dois quilômetros direto sem pensar em me jogar no meio da rua e morrer, achei que andar 12km sem pressa com o objetivo de chegar numa praia supostamente paradisíaca não era mau negócio. Mas a gente não tem noção do que são 12km. São muitos quilômetros.

trilha bonete

Fiz as mochilas com o mínimo possível de coisas pra levar nas costas, comprei pelo menos quatro versões diferentes de repelentes contra mosquitos, planejei exatamente as roupas que usaríamos (manga comprida, calça, meião e tênis) e fiz questão que dormíssemos e comêssemos bem antes de saírmos para o rolê.

Viajamos de madrugada para evitar o trânsito e chegamos em São Sebastião quase junto com o sol. Pegamos a balsa e dirigimos uns trinta minutos em direção ao sul de Ilhabela. O dia amanheceu colorido e fresquinho, perfeito para a trilha.

pier das figueiras

Fomos até o final da estrada seguindo placas e procurando o estacionamento do começo da trilha sobre o qual li em todos os blogs. O lugar era meio macabro e eu estava ansiosa para começar logo, então negociamos o preço para quatro dias e nos trocamos rápido para sair, mas não sem antes tomar um banho de repelente porque assim que saí do carro vi que os borrachudos já me cercavam.

começo

Começamos às 8h30 e andamos quarenta minutos até a primeira cachoeira, a Cachoeira da Laje. A trilha era bem aberta e, apesar das muitas subidas e descidas, conseguimos manter um bom ritmo de caminhada naqueles primeiros 3km. Eu não me empolguei o suficiente para tirar a roupa e entrar na água gelada, mas quando vi o Danilo já estava lá. Aproveitei para tirar umas fotos e gravar um pouco para o vlog e às 9h50 saímos de novo à caminho do Bonete.

cachoeira da laje

Seguimos andando por uma hora e quarenta minutos, já com mais dificuldade porque a trilha estava mais molhada e tinha umas pedras muito desnecessárias (natureza, pff). As subidas e descidas eram super íngremes e no caminho eu quase pisei numa motherfucking cobra. Foi naquele momento que eu entendi que realmente estava no meio da Mata Atlântica.

ceu

Já eram 11h30 quando seguimos para reta final da trilha e as coisas começaram a doer. As mochilas estavam pesando nas nossas costas, o calor incomodava e eu só conseguia olhar para o chão (afinal, cobras). Chegamos numa parte sem árvores e me bateu um certo desespero porque até então as árvores tavam fazendo um ótimo trabalho me protegendo do sol. Caminhamos um pouco mais e pra nossa surpresa, vimos a praia. Fiquei confusa porque tinha lido em vários lugares que eram três cachoeiras até chegar no Bonete e comecei a questionar a funcionalidade do meu cérebro depois de 11km andando. Posamos para a foto achando que faltava pouco para chegar na praia e rir de todo o sofrimento. Doce_ilusão.jpeg.

ilusaovista bonete

Dali pra frente foi a pior parte. A descida estava cheia de pedrinhas super escorregadias e a praia parecia ao mesmo tempo estar muito perto e muito longe. Era o céu aberto, o sol rachando meu crânio e meu joelho gritando por misericórdia. Passamos pela terceira cachoeira, o que foi bom para minha saúde mental, e seguimos por mais alguns longos minutos andando/morrendo. A última escadinha para chegar na areia da praia foi mega ingrata mas quando eu pisei na praia tive vontade dar uma de papa e beijar o chão. Desisti logo da ideia porque ter a boca cheia de areia não me pareceu legal naquele momento então só continuei andando para achar o lugar que tínhamos reservado. Era na outra ponta da praia, evidentemente.

O quarto era muito bonitinho e tinha tudo que a gente precisava (inclusive velas e fósforos porque né, no power).

– pausa para eu contar pra vocês como eu realmente descobri que não tinha energia lá – 

Mandei mensagem para o cara que alugou o lugar pra mim enquanto estava fazendo a mala porque precisava saber se daria para eu levar meu secador de cabelo.

Cintia: Oi Fernando! Tô arrumando a mala aqui e surgiu uma dúvida: tem tomada 110V lá?
Fernando: Bom dia, em casa não tem luz mas você consegue carregar seu celular por lá em bares e nos vizinhos.

Af.

Mas voltando ao quarto, era de frente para a praia e, considerando as condições, não podia ser melhor. O banheiro era super fofo, a cama era confortável e as janelas todas davam para vistas lindas.

vista do quartoquarto1 quarto2

Pena que tinha tanto borrachudo. Tanto borrachudo que não dava pra viver de tanto borrachudo. Logo que chegamos na praia, eu vi uma moça tomando sol e as pernas dela estavam picadas da linha do biquini até o pé. Tudo vermelho, inchado, quase não dava pra ver pele. Fiquei em choque, sério. Conversei logo com o pessoal que mora lá e eles disseram que é sempre assim, mas que os bichos atacam mesmo é de manhãzinha e no final da tarde. Perguntei também sobre os melhores repelentes: muitos usam os comuns de farmácia e outros usam uma versão caseira. Dentre as mil opções que eu comprei, tinha um importado chamado Exposis que foi bem eficiente. Fica a dica. Eu passava o importado nas horas mais tensas e ficava com os mais baratinhos no resto do dia. A questão é: que saco ter que ficar passando repelente o dia todo! Eu não podia entrar na água e sair pra ficar um pouco na sombra porque na sombra tinha sempre mil sanguinários famintos esperando pra picar minha perna rapidinho ali como quem não quer nada. Que pesadelo.

Mas a praia é bem bonita, mesmo. A água é limpinha e a areia bem fina. Durante a noite, por não ter luz nenhuma, o céu fica maravilhoso. Sem dúvida foi o mais lindo que eu já vi, hipnotizante. Essa foto foi ao nascer do sol, desafiando todos os borrachudos, no melhor estilo OOTD: meião até a coxa e canga cobrindo todos os meus outros centímetros de pele:

bonete manha

Ficamos lá quatro dias mas sinceramente, não é o tipo de lugar para ficar tanto tempo. Por ser uma comunidade pequena, não existem muitas opções de restaurantes, por exemplo. Para café da manhã e almoço são poucas alternativas e à noite praticamente nada além do restaurante da pousadinha porque fica tudo escuro e o pessoal dorme. Sabe aquela tradição gostosa de praia de ficar até tarde conversando numa sorveteria? Não tem sorveteria. Mas o que tem é ok. A comida é simples mas gostosinha. O café da manhã custava entre 10 e 15 reais e era bem básico: frutas, pão caseiro e uma ou outra opção de frios. O almoço custava 25 reais por pessoa e todos os lugares que a gente foi ofereciam a mesma coisa: peixe frito/grelhado, arroz, feijão e uma saladinha.

cafe da manha almoço

Saindo do Bonete dá pra pegar trilhas diferentes para outras cachoeiras e praias. Vi placas oferecendo passeios de barco e de mergulho, também. Do lado esquerdo da praia, na montanha, tem um mirante que parece bem legal para tirar fotos da paisagem mas o combo Cintia + trilha tinha saído do menu então me contentei com as fotos que já tinha tirado. Sr. Danilo, porém, me convenceu a ir visitar o Poço Fundo, apenas quinze minutos distante. Devia ter dito que não, dessa vez. Eu estava aceitando seguir o caminho dos borrachudos-mestre e ainda não sabia.

para borrachudos caminho poço fundo

Não sei o que eu estava esperando ver, mas o lugar era um monte de pedra com água e eu recebi uma média de 1.4 picadas de borrachudo por minuto lá. Desculpa Poço Fundo, mas gostaria de lembrar de você pela sua beleza e não pelas marcas que ficaram no meu coitado corpo.

Chegamos no domingo e o plano era sair quinta de manhã, mas acabamos indo embora na quarta a tarde. Ouvimos todo mundo falando que a volta de barco era tranquila, então ficamos na praia a manhã inteira, almoçamos e voltamos para o quarto para tomar banho. Danilo saiu para conversar com o cara que nos levaria de volta e eu fiquei no quarto terminando de arrumar as coisas. Quando estava tudo acertado, fomos até os barcos. Tinha uns super moderninhos, com proteção contra o sol etc e tinha um que parecia o projeto do Tom Hanks em O Náufrago. Adivinha em qual a gente foi?

naufrago1

Teria sido ótimo se não fosse pelo desfecho, porque pra finalizar uma viagem dessas, só com chave de ouro feat. uma quase morte. Depois de muito tempo no barco vendo em velocidade o tanto que a gente tinha andado pra chegar até a praia, chegamos numas pedras redondas gigantescas. O moço desligou o barco e meu coração desligou junto. O mar estava super agitado e o cara começou a explicar o que a gente teria que fazer para pular do barco para pedra. Oi? Eu estava tão anestesiada pelo contexto que só ouvi que “normalmente o mar tá mais tranquilo mas se eu for deixar vocês mais pra frente vocês vão ter que andar dois quilômetros”. A gente estava de chinelo, queimados de sol, com três mochilas, uma bolsa, uma sacola e um tripé.

Nenhuma opção era boa, sabe. Tivemos que ponderar o que seria menos pior. O Danilo foi subindo na ponta do barco, ainda longe da pedra que a gente precisava alcançar. O cara dava mil instruções, falava que a pedra estava escorregadia por causa do limo e dizia que a gente precisava pular na parte seca. E o barco balançando furiosamente com as ondas. Danilo conseguiu pular e de repente já era minha vez. Levantei sem pensar muito, subi na ponta do barco e olhei para a pedra. Tava muito longe. O barco não tinha como chegar mais perto porque as ondas acabariam empurrando-o contra as pedras e agora o meu namorado já tava fora. Eu realmente não tinha outra escolha, tinha que pular.

Consegui, mas no processo eu só conseguia pensar que seria uma tragédia muito da desgracenta eu cair de boca naquela rocha maldita e zoar todos os meus dentes que eu já tô quase conseguindo deixar do jeito que eu quero. O cara do barco foi jogando nossas coisas uma por uma e quando estávamos com tudo, perguntou se tudo bem ele ir embora e foi. A gente passou por mais um milhão de pedras igualmente difíceis e escorregadias (de chinelo) e seguimos para uma:

Trilha, mano.

Era uma subida que se subisse mais um pouco chegava no céu para já perguntar diretamente para Deus pra que tanto relevo nesse Brasil. Não acabava mais. Depois do que pareceu uma hora andando, cruzamos com um riozinho e eu enxerguei um verdadeiro oásis. Toda aquela minha frescura na ida de não me molhar, de água fria etc passou e eu jogava água na cara como se aquela fosse a última água que eu ia ver na vida. Seguimos subindo por mais alguns minutos e minha alegria foi tão grande quando eu vi aquele estacionamento podre que me deu vontade de premiá-lo como o melhor estacionamento do mundo.

Filhos, quando eu contar essa história para vocês espero que seja muito proveitosa porque olha. Que aventura, viu.

bonete barcovolta

Dicas para quem tá pensando em fazer a trilha do Bonete:

  • Leve a menor quantidade de peso possível. Se você for acampar (tem muita gente que faz isso), mande suas mochilas de barco. Conversei com um pessoal que fez isso e achei muito inteligente.
  • Leve água e alguma coisa para comer. A gente demorou quase cinco horas no total, ficar sem beber/comer é até perigoso.
  • Use roupas que realmente cubram o seu corpo. Isso ajuda muito a prevenir picadas precoces dos borrachudos de plantão.
  • Leve bastante repelente. Um vidrinho de 100ml/150ml vai fácil em dois dias.
  • Leve lanterna! Durante a noite fica tudo escuro e as que eles vendem lá são muito caras.
  • Negocie o preço do barco para voltar, o valor varia bastante dependendo do dia e do horário.
  • Pense bem sobre deixar o carro no último estacionamento (o mais perto da trilha). Tem uns lugares antes que possuem acessos melhores de barco para a volta.
  • Pense bem sobre tudo.

Aguardo ansiosa os comentários de vocês sobre o meu tranquilo carnaval. Uma coisa é certa: minha próxima viagem para a praia vai ser num hotel com secador de cabelo, ar condicionado e estacionamento próprio. Fiquem com o vídeo super romântico que fiz para tentar me fazer lembrar dessa viagem de um jeito um pouco mais amorzinho:


Tags:  Aventuras Viagem



Cintia Freitas
Sou formada em Tradução e em Marketing, gosto muito de escrever e odeio queijo. Todas as informações são igualmente importantes.




Posts Relacionados




112 Comentários

Feb 19, 2016

Nossa adorei, muito, muito, muito bom , nossa muito bom, impressionante ;) Com certeza um dos melhores posts do blog! PARABÉNS!! ;) ;) ;)


Feb 19, 2016

CARACA CÍNTIA! Conforme eu ia lendo o post parecia um filme, uma série, super cinematográfico! Mesmo! Olha, já acampei e sinceramente não repetiria a experiência não (risos) defino a minha como desastrosa, meio sem noção, explico: eu e uma amiga levamos uma barraca que mal cabia nós duas, tenho o problema de querer levar tudo porque vai “que ” e não dava pra ficar em pé e choveu e a chuva desmoronou nossa moradia. Passamos fome ( hoje acho graça) longa história
Sim. Bem, achei linda a praia, paradisíaca e o quarto é fofo mesmo! Eu não atravessaria essa trilha com certeza não! Ufa! Valeu por compartilhar e olha conte tudo pros filhos eles irão amar saber das aventuras!! Bjo


Feb 19, 2016

A forma como descreveu sua aventura foi muito divertida. Dei boas risadas. Apesar dos contratempos o lugar parece MARAVILHOSO! Adoro a natureza, mas pra mim seria um pesadelo! ODEIO QUALQUER TIPO DE MOSQUITO! PRINCIPALMENTE OS QUE DEIXAM MARCAS!!!
UM ABRAÇO PRA VOCÊ!


Feb 19, 2016

nossa que aventura em
ps: a parte do barco do naufrago foi hilária kkkk


Feb 19, 2016

Eita Cintia! Bota aventura nisso! Só de ler eu já cansei e quase morri junto com vocês imaginando como euzinha teria sobrevivido… É acho que não sobreviveria nem nos 2 primeiros Km…
Mas achei fofo o vídeo, as fotos e o fato de vc falar sobre filhos no post *–* Mamãe Cintia já pensou? Que doideira

Muito bom o post, ouvi sua voz em cada palavra que li haha


Feb 19, 2016

Hahahaha adorei o relato da aventura! Só de pensar nos borrachudos me desanima total, mas o bom é ter gente que enfrenta e depois escreve relatos assim, bem divertidos. ;)


Feb 19, 2016

Melhor post! Cíntia sem palavras, AMEI MUITO!


Feb 19, 2016

Muito bom… Achei tudo muito bonito…Animei a fazer essa aventura…


Feb 19, 2016

Bom se vocês queriam uma história para contar para os filhos, agora até os netos vão saber kkkkkkk que aventura


Feb 19, 2016

Cintia, te acompanho faz muito tempo, desde a época do Canadá para ser mais exata, e pelos vídeos acredito que temos personalidades semelhantes.
Não vejo melhor descrição da viagem, pois transmitiu exatamente o desconforto e ao mesmo tempo a compensação de estar em um lugar tão lindo.
Continue com o seu trabalho, pois você tem seguidores que consomem o material que produz!
Beijos ♡


Feb 19, 2016

Cintiaaaaaaaaa, kkkkkkkkkkkkk
Pelo amor de Deus, o que foi isso? kkk
Ri demais com o projeto de barco de Tom Hanks kkkkk Só digo uma coisa: Coitada de você.

Um grande beijo de Recife ^^


    Feb 19, 2016

    E só pra acrescentar, esse foi, com certeza, o melhor post do blog kkk
    Tu já tinha me conquistado com o vídeo da ACADEMIA (não canso de ver aquilo kkkkk) e agora finalizou com esse post.

    Sensacional. Apenas.


Feb 19, 2016

A única coisa que consigo pensar, depois de ter rido muito com esse post, é “como seu namorado ainda está vivo”? Eu ficaria tão desgraçada da cabeça que mataria sem pensar duas vezes.


Feb 19, 2016

O mais legal de todos esses perrengues é que você conseguiu nos contar isso de uma forma divertida, haha. Há males que vem para o bem, talvez??? O lugar é super lindo, acho que as empreitadas valeram a pena, né?
Ps: Amo muito seus posts longos e detalhadinhos com foto. <3


Feb 19, 2016

cara, eu sempre sou alvo de mosquitos, eles passam pela minha mãe e vem direto em mim, eu imagino seu sofrimento. Não deve ter sido a melhor viagem da vida, mas o importante é que vc ta viva, hahah adorei a forma que você contou a história, foi se criando um filme na minha cabeça. vc é muito boa nisso ♥


Feb 19, 2016

Vc precisa lançar um livro! Já! Preciso de vc em livrooossss! Bj


Feb 19, 2016

Assisti o vídeo no canal primeiro e pensei “Nossa! Que lugar maravilhoso, quero ir!”. Mas depois de ler o post vou pensar mil vezes antes de fazer uma trilha ou viajar para um lugar que tenha borrachudos. E fico feliz por teus dentes estarem no lugar hahahaha


Feb 19, 2016

Mano vc só se ferra hahahaha mas acho que apesar de tudo deve ter sido uma experiência muito legal! Adoro seu blog Cintia, beijoss


Feb 19, 2016

Nossa que história boa pra contar aos netos. Ilha Bela já é cheia de bichos sugadores… onde vc foi deve ser dez vezes pior. Adorei sua viagem…ri muito aqui. Beijinhos


Feb 19, 2016

Cinthia, sei como foi difícil, mas a forma como VC relatou … Dei muita risada….desculpa… Rsss!!!! História p os filhos and netos!


Feb 19, 2016

Impossível não ler com a sua voz, Cintia! AUSHAUSHAUS o barco foi o melhor kkkkkkkkkkkk que aventura!!


Feb 19, 2016

Eu achei que vc ia terminar com “Dicas para quem tá pensando em fazer a trilha do Bonete: não faça”


Feb 19, 2016

Cintia, estive em Ilhabela na semana antes dos Carnaval. Levei 4 relpentes difrentes e eles apenas serviram de molho, porque não espantou borrachudo nenhum. No último dia de viagem eu fiz a trilha (de gipe) até Castelhanos, lá eu descobri o melhor repelente do mundo, um de citronela que é fabricado na própria ilha. Eu quase chorei de felicidade quando vi que ele funcionava.
Uma coisa que senti sobre os moradores da ilha, é que eles não tem a mínima noção de distância. Quando fui fazer a Trilha da Cachoeira da Água Branca me disseram pra deixar o carro no centro e ir andando até a trilha, sério, agradeço a todas as entidades de todas as religiões por não ter feito isso. A entrada da ilha fica a quase 4km do centro e lá tem onde parar o carro!
Bjos.


    Feb 19, 2016

    Sdds desse repelente de citronela que nunca tive mas já considero pakas hein


Feb 19, 2016

Cintia, adoro seu conteúdo, mas só acompanho pelo YT. Achei MUITO inteligente a forma de nos atrair pro blog!
Texto ótimo e a aventura também. Voltarei mais vezes no blog. Parabéns!


Feb 19, 2016

CINTIAAAAAAAAAA ! Que agonia ler o seu relato, SÉRIO. Eu sou um pouco relutante com blogs/sites e acabo ficando mais nos vídeos do youtube mesmo, esse texto é o primeiro que eu li aqui e to apaixonada pela forma que você escreveu.

Mas vamos lá. Gata que ideia foi essa ? Eu senti as picadas de mosquito daqui. Se eu soubesse que não tem energia eu nem teria ido.. Meu namorado diz que sou “muito urbana”, devo ser mesmo, porque olha… As fotos ficaram lindas, mas acho que se fosse eu na sua situação, teria desistido no início da primeira trilha, parabéns pela garra ! rs

Beijão, adoro você e seus vídeos ! <3


    Feb 19, 2016

    Obrigada pelo comentário, Laura!! O primeiro texto que você leu é justo um dos mais longos que eu já escrevi por aqui, hahaha! Espero que volte mais vezes :)


Feb 19, 2016

Cintia! Que legal! Apesar dos perrengui acho que foi muito bom pra vcs! Que edição relaxante do video! Gosti =)))


Feb 19, 2016

Melhor post!! Que lugar lindo, que aventura, hahaha
Você é incrível! Beijos


Feb 19, 2016

Cintia, ri muito dessa sua história! Quando li “dicas para quem tá pensando em fazer a trilha do Sabonete” pensei em quem gostaria de passar por todo esse sufoco! Hahahaha. Mas tenha certeza: rendeu uma ótima história! Seus filhos vão rir muito junto com vocês! Beijo, linda!


Feb 19, 2016

HASUHSUHASUHUAHS ótimo!
Daria uma micro série aí fácil!
mas pense agora nas paisagens que vc teve oportunidade de ver que em fotos são lindas, pessoalmente, deve ser sensacional!

Parabéns!
Principalmente pelo esforço ;) hasuhsuahuas


Feb 19, 2016

Adorei, Cintia! Realmente um dos melhores posts do blog. Senti como se tivesse vivido essa aventura e não conseguia desgrudar os olhos da tela. Eu, particularmente, amo a natureza, trilhas e aventuras, mas insetos não são meu forte. Acho que com tantos borrachudos, eu teria desistido no meio do caminho. Parabéns pelo post, pela coragem e pela força de vontade hahaha. Beijos!


Feb 19, 2016

Show de bola Cintia, Me amarro nessas aventuras, sempre faço trilhas/acampo, Tô acostumado com esses “perrengue” me diverti com a sua jornada rs (e achei o lugar parecido com Barra de Guaratiba, aqui no Rio)


Feb 19, 2016

Nossa Cíntia, que coragem hein. Eu sempre quis conhecer o lado sul da ilha mas é bem difícil, principalmente quando se está família.


Feb 19, 2016

Cintia. Que. Aventura, manoO!!!!


Feb 19, 2016

Nossa Cintia, parece um livro, a gente começa a ler e ñ para mais, vc escreve incrívelmente bem, e olha q ñ sou muito fã de ler rsrs, mais com uma história dessas, é impossível ñ ler!!! Parabéns pelo trabalho!!! AMEI… VC É D+++!!!


Feb 20, 2016

Eu só assistia seus vídeos, esse foi o seu primeiro post que eu li. É incrível como até escrevendo você me consegui me fazer rir. Ta de parabéns, agora tem mais um leitor.


Feb 20, 2016

Ler os teus textos é igualmente – pra não dizer muito mais ainda – divertido a assistir teus vídeos!
Leitura gostosa, que desliza sob os olhos! Quando vi, o post já tinha acabado. Que pena! :(
A aventura foi válida, apesar das diversas-quase-mortes que você sofreu (hahahah ri muito em todas, desculpa ué! :D): oloko, eu já teria empacotado só de ver a cobra (sem contar nas aranhas, aliás, você viu alguma por lá?).

Obrigada por dividir tanta coisa legal comigo (e com mais as outras milhares de pessoas que também te adoram)!

Espero poder ler muita coisa ainda por aqui. (Lá vai a Aimée fuçar em todo o blog agora e ler desde os primórdios da civilização… Ok, parei. Chega de parentesis haha)

Beijones


Feb 20, 2016

Nossa, que perrengue. Vocês são verdadeiros guerreiros. Já podem participar das Olimpíadas. Fiquei tentando imaginar o que era o tal do borrachudo, que eu não sabia, daí fui pesquisar e vi, os infelizes. Você foi ao médico? Vi que eles podem provocar cegueira.


Feb 20, 2016

Adorei o post!! Fiquei com vontade de fazer uma trilha dessas, mas o que me deixa com receio é que sou alérgica a picadas de insetos. Parabéns pela coragem, o lugar é lindo!!


Feb 20, 2016

Ri muito com a sua história! Ahahahahaha maravilhosa, juro!! Deve ter sido hard aguentar tudo que vcs passaram, mas a forma como vc escreveu foi leve e divertida, eu amei!


Feb 20, 2016

Assisti o vídeo no Youtube e pensei: ahh fofo!!! Ai o seu comentário no final me deixou curiosa e vim ao blog…. Você é da época que nossas mães ouviam Gil Gomes enquanto nos preparava para a escola de manhã? Conforme a gente ia ouvindo a historia, pondo a mão na cabeça, no peito prendendo a respiração….. kkkkk meu seu post sobre a viagem é assim. Amei que aventura, parecia que estava ali também kkkk, quase me cocei. A parte do secador é hilaria…eu surtaria kkkk. Bjs.


Feb 20, 2016

Que post mais lindo, amei sua escrita e a facilidade de transmitir seus sentimentos através, amei demais esse post, aí meu deus, mesmo com todos esses pontos negativos, deu muita vontade de viver tudo pelo que vc passou nessa aventura, sério, quero isso agora…
Essas fotos, apaixonado.


Feb 20, 2016

Adorei o post e as fotos. A pousada é super bonitinha, achei que lá fosse mais camping.

Fiquei surpresa de você ter achado a terceira parte da trilha a mais difícil, sinal que está bem preparada fisicamente. Eu fiz a trilha sábado passado e achei o trecho após a primeira cachoeira horrível…todas aquelas pedras para subir e descer…..já na terceira parte eu não estava no meu corpo mais….rsrs…..e na trilha para o estacionamento, agi no modo sobrevivência,me arrastando no chão e pensando na rua.

É uma ótima história, não só para os filhos, mas para a gente poder ver que passou pelo mesmo “perrengue”, mas é bom que os filhos se impressionem!


    Feb 20, 2016

    Hahaha! Modo sobrevivência é ótimo! Foi be boa pular nas pedras da volta?


Feb 20, 2016

Puts cidade vizinha a minha estou direto na ilha mas nunca tive coragem de fazer está trilha porque ela é trash, fora que o povo do Bonete fala com um sotaque bem diferente né.

Kkkkkk


Feb 20, 2016

Nossa, maravilhoso o texto!
Conforme eu lia parecia que eu estava vivendo isso de tão perfeito qur foi sua escrita!!!
Parabénss

E sobre a viagem:

Esse foi realmente foi um passeio inesquecível


Feb 20, 2016

Acho que esse é o único post que mesmo mostrando o lado ruim me incentivou a querer ir.
Mano, deve ter sido muito divertido hahahah
Principalmente contado por você Cintia kkkkkk


Feb 20, 2016

Nossa, que aventura! Acho que a parte que mais me espantou foi a de não ter energia elétrica, não pelo fato de não poder usar secador de cabelo ou ter AC, mas sei lá, não me dou bem com escuridão HAHAHAHA.
Vocês foram muito corajosos pra topar uma aventura dessas, 12 km de caminhada só sendo muito fitness mesmo, eu já preferia se desse pra ir de bike, gosto mais de pedalar do que caminhar. Mas com certeza essa será uma daquelas histórias que vocês irão se lembrar pra sempre, e cada vez que você ver um borrachudo ele vai te ajudar a lembrar ainda mais rápido.


Feb 20, 2016

Foi esplêndida sua viagem, coisas assim nos mantém vivos. Cintia, foi uma história de carnaval, me encantei com cada pedacinho.


Feb 20, 2016

Eu sou Ariana e sou do tipo que amooo aventuras. Mas talvez eu prefira pular de paraquedas hehehe 12k, borrachudos, subidas ingrimes, barcos primitivos, sem luz… Vc foi muito guerreira


Feb 20, 2016

Cintia do céu, já ouviu falar de uma cidadezinha show de bola, com praias lindíssimas e com boa infraestrutura chamada Florianópolis?? O que você foi fazer nesse c* de mundo??? Kkkkkk ” o moço foi e desligou o motor e meu coração desligou junto!” RI muito nessa parte da história! :D


Feb 20, 2016

“e tinha umas pedras muito desnecessárias (natureza, pff)” ahushaus eu ri nessa parte


Feb 20, 2016

Adorei o texto Cintia. Você realmente escreve muito bem! Me peguei dando risada sozinha hahahh
Agora pensarei muito bem antes de querer fazer uma trilha hahah
Parabéns, Beijos


Feb 20, 2016

Oi Cintia, já fiz um passeio com a mesma vibe do seu, porém não passei por nenhum momento difícil, quando o trauma passar, procure saber sobre a praia do sono, é lindo, alternativo, tem trilhas mais tranquilas pra praias e cachoeiras, tem energia elétrica, mas acredito que deixa o mesmo gostinho de lugar paradisíaco e longe do caos das cidades.

beijos, adoro seu trabalho!


Feb 20, 2016

Que demais esse texto, imaginando o tempo todo que um livro seu contando suas próprias histórias ia ser demais!! Amei! Mas não me animou de fazer o mesmo trajeto kkkkk mesmo com fotos e vistas fantásticas
Bjs, adoro seus vídeos, primeira vez no blog mas pretendo conhecer mais por aqui tbm!


Feb 20, 2016

Mano do céu, que aventura digna do indiana Jones. O legal é que Danilo foi super legal, sempre lhe persuadido a ir para os locais mais conveniente, rsrsrsrrsrs. Parabéns pelo blog/ channel no YouTube, sua linguagem é bem divertida. sucesso para ti.


Feb 20, 2016

“Era uma subida que se subisse mais um pouco chegava no céu para já perguntar diretamente para Deus pra que tanto relevo nesse Brasil…”
Kkkkkkkkk
Que aventura! Ja fiz uma trilha de 15km de muita pedra, riacho e mato pra uma cachoeira na Chapada dos Veadeiros. NUNCA MAIS!
Ameeeei o post! É uma delícia ler suas publicações.
Beijos!


Feb 20, 2016

Nossa adorei a sua aventura, algo sofrido principalmente para nos mulheres (sem secador e com animais desagraveis). Mas com certeza será uma viagem q ficara na memoria e rendera e renderá lembranças increveis.


Feb 20, 2016

Wooooooooow Cintia, que da hora! Como deve ser gostoso a sensação de estar em total contato com a natureza, apesar dos borrachudos a aventura foi incrível né?! Edição nota 10! =)


Feb 20, 2016

É a segunda vez que venho aqui para ler este texto, só pra rir mesmo da sua desgraça hahaha brincadeira. Quem sou eu pra rir de você afinallllllll acabei de voltar de Ilha bela, mas eu tava em uma situação muuuuuito mais confortável, quarto de hotel, piscina, secador no quarto, masssssssssssssssssssss mesmo assim nao me livrei dos sanguinários borrachudinhos. Manoooo eles colonizaram a ilha e acho que é uma tentativa incansavel de tentar nos expulsar pq é foda, mesmo em quarto de hotel com parada la de mosquito na tomada ainda fui deveras carimbada pra kct, imagina você numa praia mais isolada… Queeeeeeeee isso.!?!?!? Vcs foram doidos, mas claro vocês pelo menos tem historia pra contar.
Imagino sua careta quando descobriu que não tinha energia a casa…. rindo só de pensar.
Amei o texto, amei você questionando Deus pra que tanto relevo no Brasil, faltou perguntar por que tanto borrachudo né? hahahaha]
Beijos e ansiosa para sua próxima aventura.
Beijooooossss
Tchau Cintia.


Feb 20, 2016

Ja deixai a ultima foto de capa de fundo do meu computador kkkk


Feb 20, 2016

Cintia! vc descreveu tudoo que eu senti quando fui, a única diferença foi que eu acampei e fiquei menos dias… Mas amei demais, só que a volta eu morri de medo, do tipo, se tivesse sozinha nem na tal pedra tinha conseguido pular. Agora depois de ter visto essa volta, haha, eu preferiria voltar pela trilha mesmo! Sempre que conto a história do bonete, eu digo, mas a volta, ahh a volta foi a maior surpresa, e eu tb fui de chinelo e pior, estava de biquini e short, e aquela subida não acabava nunca :o aah, o pescador que nos levou foi numa caverninha que as ondas batiam com tanta força e parecia ser tão perigoso ficar ali kk que eu só pensava “ele sabe oq ta fazendo, Deus queira!!!” mas amei demais a praia, o céu de noite foi o mais lindo que eu já vi! ainda volto lá de novo! beijos, obgda por me fazer lembrar tão detalhadamente da minha viagem mais legal da vida :))


Feb 20, 2016

Cíntia , que sucesso !!! Amoooo sua forma de escrever, e quando leio , posso te ouvir falando ! Kkkkkkkkkkkk É sensacional! Obrigada por compartilhar suas aventuras conosco … Não sei se gosto mais dos vídeos ou dos posts aqui … Você é um talento ! Beijos !


Feb 20, 2016

Eu não sei VC mas eu e meu marido nos divertimos muito com essa sua viagem, garantiu boas risadas RS. Mas vê pelo lado bom, paisagens lindas, uma fugida da rotina e um texto super divertido aqui no blog… Nem td foi perdido né xD


Feb 20, 2016

Relato hipnotizante!
Lembrei de quando fiz trilha em Boiçucanga ano passado. Os borrachudos fizeram a festa na minha perna, deu uma super alergia e as marcas insistem em ficar :/ mas o ar puro e as belezas naturais compensam :)


Feb 20, 2016

Cintia, foi muito divertido ler o post, passou que nem percebi o tempo, parecia um filme (muito divertido por sinal). Por muitos mais posts de viagem assim! Parabéns ótimo!!

Ps: Melhor blog de todos os tempos.


Feb 20, 2016

A sensação que você passa no seu texto é muito parecida com a sensação que as pessoas tem ao ver seus vídeos, é muito divertido. Faz muito tempo que eu não lia algo seu e dei muita risada com esse texto. Espero um dia voltar com o meu blog e ter histórias divertidas pra contar também haha Parabéns Cintia!


Feb 20, 2016

Tudo lindo mesmo, mas que PREÇO pra ver/desfrutar dessa beleza ein? Sou alérgica a esses borrachudos , e pelo tanto q vc falou neles, NUNCA iria pra lá! hehehe
Cíntia, PARABÉNS! A fotografia ficou ma-ra-vi-lho-sa, a edição do vídeo com a trilha sonora ficou SHOW tbm! AMEI!
E essa praia é linda! É praticamente igual a praia de “Cair Paravel”, de Nárnia, haha, no filme Príncipe Caspian.
Linda! http://4.bp.blogspot.com/-VlYu8V2UDnk/UKpejt3JFpI/AAAAAAAAAfA/JeNbWAdNON0/s1600/0111.JPG
Bjos!


Feb 20, 2016

Cintia, mulher, que história!! Mas acho que apesar de todos os contras, deve ter valido a pena, né? Olha essa vista! Enfim. Achei bacana a ideia de complementar o post com o vídeo, e caraca meu, que vídeo lindo!!!!!!!!!! Ficou bem “artsy” hahah e nossa… sem palavras


Feb 20, 2016

Cintia,
Seu passeio de Carnaval me fez chorar de ri, literalmente. Consegui visualizar as cenas de tão bem contadas que foram.
Mil vezes ‘Parabéns’!!!


Feb 21, 2016

Entendi o recado, vou comprar um repelente eficiente pra sobreviver nessa selva chamada Brasil e cheio de Zica. Rsrs


Feb 21, 2016

Oi Cintia. Adoro os seus videos, está não é a primeira vez que passei por seu blog mas é o primeiro post que li.
Amei as fotos, o lugar é mais que lindo, sua historia super divertida.
Parabéns!


Feb 21, 2016

Realmente Cintia, que aventura hein!? xD.
Adorei o post da tua aventura de Carnaval, o lugar é de fato muito bonito.
Nunca tive oportunidade de visitar o Brasil, parece ter paisagens e lugares muito bonitos para conhecer…quem sabe um dia :-)
Se me permites e caso tenhas curiosidade, deixo aqui uma sugestão de um excelente destino de férias, sobretudo para quem gosta de natureza e aventura:

http://www.visitazores.com/pt-pt

https://www.youtube.com/watch?v=nUS8E2RFN4c
https://www.youtube.com/watch?v=_-gVnqmNICk
https://www.youtube.com/watch?v=om03SACGIjI

Apesar de muito longe do teu país, tenho certeza que irias adorar. Foi considerado recentemente o 5.º melhor Destino Europeu de 2016 :-).

Beijo


Feb 21, 2016

Cíntia que aventura hein, admiro sua coragem, acho que eu não teria coragem não, não só pela falta de luz mais pela quantidade de borrachudos. Quando você falou que viu uma mulher na praia com as pernas inchadas de picadas de inseto me bateu um pavor.
Continue escrevendo dessa forma divertida, adoro ler seus posts. Eterna cintilante :)


Feb 21, 2016

Eu adoro relatos de aventureiros se divertido (ou não, hehe) por aí… Pelas fotos, na minha opinião, todo esse perrengue pelo que você passou valeria a pena. Apesar dos mosquitos… também detesto ter de lidar com insetos. Adorei a edição do vídeo e as fotos.

Com certeza seus filhos vão querer ouvir sobre isso, pode apostar.


Feb 21, 2016

Meu maior arrependimento é ter ido em Ilhabela e não ter feito essa trilha, porém fiz um passeio de escuna e foi igualmente terrível usar o bote deles pra chegar na praia.


Feb 22, 2016

Eu ri sonoramente. Kkkk


Feb 22, 2016

Cintia.. Você me mata de rir… “sério mano” já é meu jargão oficial. Comecei a leitura até controlado, mas do meio pra frente foi descontrole total hahahahahahahah. Sorte que estava sozinho e ninguém pôde me julgar por estar chorando de rir e lendo em voz alta ao mesmo tempo.
Confesso que esse tipo de passeio ….. sei não hein…. mas estava ao seu lado nesses quilômetros todos hahahahahaha. ótima narração.
Enfim, você é muito boa no que faz. Desejo todo sucesso do mundo.
Abraços.


Feb 22, 2016

kkkkkkkkkk nessa parte eu ri demais: “eu só conseguia pensar que seria uma tragédia muito da desgracenta eu cair de boca naquela rocha maldita e zoar todos os meus dentes que eu já tô quase conseguindo deixar do jeito que eu quero. ” kkkkkkk Melhor blog mesmo!!! Com conteúdo de qualidade! Parabéns Cintia.


Feb 22, 2016

Cíntia, eu também sou dos que não costumam vir muito por aqui (Falta de costume apenas… Você escreve muito bem) mas assisto sempre aos seus vídeos. Quando vi o vídeo no YOUTUBE fiquei curiosa pra saber a história, e vim correndo pra cá. Menina! Deu pra sentir cada emoção, e cada agonia. Meu Deus! Achei muito legal sua coragem para essa aventura. Mas não sei se me animo não. Obrigada por me fazer sentir como se fosse comigo…RS
Beijos* Aprecio muito todo o seu trabalho!


Feb 22, 2016

Oi, Cíntia! rs
Eu também fui na praia do Bonete, no carnaval.
Mas minha aventura foi diferente.
Não fiz a trilha, ufa, ainda bem, depois desta história que li… rsrsrrs
Estava em Ubatuba e fiz o passeio de escuna, até lá, no Bonete.
Chegando lá, disseram que podíamos pular do barco e nadar até a praia.
Eu, achando que estava em forma, afinal, treino musculação tds os dias, danço zumba e já fiz natação, pensei que seria fichinha kkkkkk
Que loucura, a praia estava super longe do barco, mas olhando parecia que estava tão perto…
Enfim, fui, mas antes de chegar estava morrendo de cansaço, nao estava mais aguentando dar braçadas, meus braços pareciam estar anestesiados, eu procurava o chão e nada de chegar; foi quando uns rapazes perceberam e foram me ajudar, ufa, pensei que fosse morrer !!!!
Foi uma aventura inesquecível!!! Minhas filhas e meu marido observando láaaaa de longe!
Cheguei com os braços moles, moles, nunca mais!!!


Feb 22, 2016

rs diferente e divertido jeito de escrever, achei muito legal, vou frequentar mais esse blog…


Feb 23, 2016

QUE AVENTURA CÍNTIAAAAAAAAAAAAA!!! Pô, muito gostosa a leitura. Vc consegue transmitir a sensação de estar lá. Parabéns! E parabéns pela coragem tbm. Apesar dos problemas, foi uma escolha ousada e acho que de alguma forma deve ter valido a pena. Bjs


Feb 23, 2016

Cíntia, você tem que ser escritora!!! Menina, que leitura gostosa e divertida. Senti pena de você também, claro, mas me diverti mais do que senti dó do perrengue que você narrou. Sou fã dos vídeos no youtube e agora fã do blog. Você é muito engraçada.
Já tive um namorado que fazia trilha e eu fui a algumas, fiz até rapel uma vez. Achava legal e tudo mas é muito cansativo e meu joelho não colabora.
Boas próximas aventura e pense em escrever livros, faço questão de autógrafo. Bjs


Feb 23, 2016

Voltei!!!

Menina, que vídeo é esse???? Que qualidade!!! Que edição!!!! Pode mandar direto para qualquer cinema.
Parabéns!!!


Feb 23, 2016

Cintia, Cintia, Cintia, o que dizer desse texto que acabei de ler mas já considero pakas? Deixando esse Orkut de lado, que texto INCRÍVEL! Ficou maravilhoso, como se eu estivesse lá sofrendo com vocês kkk isso daria quase um programa de sobrevivência do Discovery, só que ao invés de lutar para sobreviver somente, ainda há os borrachudos que, sinceramente, quando um já me atormenta fico com muita raiva, imagine vocês que ira kkk
Você já pensou em escrever um livro? Seus textos são muito comédia e, como eu já disse em um comentário em outro texto, a pitada certa de humor (quase escrevi PICADA, depois de tanto ler sobre esses mosquitinhos malditos).
Enfim, parabéns pelo texto e eu com certeza nunca irei pra essa praia, pelo meu ponto de vista não vale a pena mesmo sendo uma praia tão linda.


Feb 23, 2016

Cintia, demais o post! :-D Confesso que hesitei em ler, pelo tamanho dele, mas depois que comecei, foi rápido e divertido (sorry..rs). Me fez lembrar de uma trilha de 4km que andei (nem metade da que você teve que andar) e já me deixou traumatizada…kkkk… Essas aventuras servem pra rir e como lição. Muito bom.#BoneteNuncaMais …rs


Feb 24, 2016

Eu li o texto inteiro com sua voz hahahaha que aventura guria!!! Gosto muito do jeito que vc escreve é bem engraçado.
Essa edição de video QQISSOMINHAGENTE parece do Andre Pilli (o cara é bão). Super beijo


Feb 24, 2016

Cíntia … adorei ! HAHAHAHA
Te sigo a algum tempo, confesso que mais no youtube rs, mas, estou acompanhando o blog também =D Adoro a forma como escreve e seu jeito de contar e descrever suas experiencias. Muito boa as dicas pra ilha bela, vou usa la pois em maio estarei indo passar 7 dias lá !! Vídeo lindo, fotos maravilhosas, e sei que mesmo com os ” perrengues ” será uma ótima lembrança pra vocês !!
Um super beijinho…


Feb 24, 2016

QUAL O NOME DO FILME?!

Eu já estava esperando essa pergunta no final….

Sensacional sua narrativa, já pode escrever roteiros para filmes!!!


Feb 24, 2016

O melhor é ler imaginando suas caras e bocas…. chorei de rir!!! Mto bom Cíntia amei o texto!


Feb 25, 2016

(…)e seguimos para uma:

Trilha, mano.

Choreeeeei de rir nessa parte!

Que aventura!

Parabéns, que texto bem escrito!


Feb 25, 2016

Nossa! Não sei como voce juntou forças pra segurar a câmera depois de ter visto a cobra! Kkkkkk

Amei sua aventura! E apesar de ter medo de cobra e barcos prestes a terem um destino não muito bom, ME DEU MUITA VONTADE DE FAZER ISSO! Principalmente pra ver como é o céu lá.
Aguardando por mais dresses, Cintia!
Bjos!


Feb 25, 2016

Li tudo com a sua voz


Feb 27, 2016

Olá Cintia ^^
Uau! Que aventura! E relatada com muita qualidade (e humor kk)…
Da pra imaginar bem como deve ter sido difícil o trajeto e os borrachudos (rsrs ‘-‘ ).. só acho que pelo teu relato, é um lugar BEEM natureza mesmo, e algumas coisas como poucas opções de lugares para comer não seja algo a se levar em conta numa viajem dessas, pois um lugar com variedade de comida, hotel e secador, por exemplo, deixa a viagem bem mais confortável mesmo e podemos apreciar o lugar com mais praticidade, mas acho q essa pouca variedade e até a falta de energia é algo que proporciona uma experiência ímpar de convivência com a natureza ‘pura’, conservada, como foi criada por Deus, que é tão difícil pra quem mora em grandes cidades… Então, se apreciar os momentos bons, dá pra relevar bem isso, já que é por pouco tempo, como vc mesma disse, ao falar que mesmo com a pouca variedade, ‘o que tem, tá ok’ :3
Acho que apesar dos pontos negativos, aproveitaram os bons momentos e as paisagens, e essa experiência foi inesquecível :}
Parabéns a vocês pela disposição e obrigada por compartilhar com a gente o relato e as imagens! Ficaram lindas *-*
Bjo!


Feb 27, 2016

Rachei de rir! Realmente vc tem a ” manha” de escrever de forma cômica! parabéns! Já fiz uma aventura semelhante mas sem praia,nos cantões de MG mara e foi boa pra descobri alergia dos borrachudos! quase perdi minha perninha! ficou rochassa!! Os nativos se acostumam com eles??? oh dúvida! Cíntia,já assistiu ” largados e pelados no discovery ?qdo li aki lembrei do programa..kkkkkkkk pense nos borrachudos te picando pelada!! kkkkkkkkkkk thanks!


Feb 28, 2016

kkkkkk nunca dei tanta risada em um post só! Adorei a viagem e o sofrimento!


Mar 01, 2016

Quem vê essas fotos bonitas e o video nem imagina a realidade da viagem.
Adorei como você foi contando a história e as derrotas! Hahha :)
PS: Doeu em mim quando ele contou o pequeno detalhe de não ter luz.


Mar 01, 2016

Nossa adorei o texto e adorei o blog. Cheguei ao seu blog através do seu vídeo do youtube sobre sua trilha de 12km (na verdade já vi outros vídeos, mas não havia me preocupado em acessar seu site até ver esse vídeo). Achei muito divertido, sério, a forma como você escreve nos passa a sensação como se você estivesse realmente nos contando tudo pessoalmente. De uma forma bizarra fiquei interessado em fazer essa trilha e conhecer essa praia viu, mas não liga não, há pouco tempo comecei a me aventurar em corridas de montanhas e confesso que somos um povo bem retardado por gostar disso.
Ah, não conhecia seu canal do youtube, mas depois de vê-la participando de um dos vídeos do Amigo Gringo (achei super legal) acabei conhecendo outros dos seus vídeos e meio que já virei seu fã.
Vez por outra passarei por aqui pra ler suas histórias, parabéns pelo trabalho e pelas aventuras.


Mar 09, 2016

Nossa Cintia que horror!!!!! Me lembra das aventuras com meu pai em acampamentos e por acaso ele vai bastante pra ilhabela se esconder, mas faz tudo de barco que é mais inteligente rssss. Eu ia de pequena mas ficava até a feiticera no máximo e ja tinha 1 milhao de borrachudos, minha mae bezuntava eu e minha irmã com óleo de cozinha pouco tempo depois foi com citronela, essa ultima muito potente, me lembro do cheiro até hoje. Na próxima vai ate a Praia do Curral que ainda é lado continente e fica no DPNY super luxoooo rss beijos


Mar 18, 2016

Da próxima vez faça as malas e venha para o Nordeste, dona moça!
Aqui em João Pessoa tem praias urbanas com areias branquinhas e águas bem cristalinas, uma lindeza só! Fora as outras praias da Região Metropolitana que são melhores que as da capital (eu acho mais tranquilas, mais bonitas e ficam a poucos minutinhos de JP).
Mas se você sentir falta de se embrenhar pelas trilhas e subir morros, acho que tem coisas do tipo por perto da cidade também.
Pronto, agora que já fiz propaganda da minha cidade, e não, eu juro que não sou uma agente de viagens hahahahahah! Enfim, sou publicitária, e fazia tempo que não encontrava um blog/portal com uma leitura tão massa!
Então escreve mais, tá?! Beleza? Beleza! ;D


    Mar 19, 2016

    Nooooossa, amei essa sua descrição sobre João Pessoa, deu muita vontade de ir conhecer! E tô bem de boa de trilhas e morros pelos próximos meses, hahaha!


Mar 18, 2016

Eu já li teu blog inteiro e esse foi o post que mais me atraiu, pois me instigou aquele espírito aventureiro láaa do fundo. Mesmo depois de você ter deixado claro que não foi tão bom assim quanto pensava. E é sério, teu jeito de escrever deixa tudo mais prazeroso e gostoso.
Obrigada por me fazer embarcar nessa aventura com você.


Apr 29, 2016

Ri demais desse teu relato. Me identifiquei super. Nunca que eu toparia essa viagem kkk eu curto natureza, maaaas.. não costumo topar viagens desse tipo. Por isso que eu amo minha alter-do-chão(Santarém/PA). Praia linda, natureza.. em plena floresta amazonica(passeios no meio do mato mesmo), vilarejo simples, mas tem farmácia, hotel legal, energia, restaurantes bons, Tv a cabo… ixi, tudo que uma boa viagem precisa.
No dia que quiser ver o que é praia bonita, é só avisar. Considerada a praia mais bonita do brasil viu? e sem passar esses perrengues! kkkkk

Bjo



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *