Resenhas / 20 de junho de 2015

Tomorrowland – Um lugar onde nada é impossível

Sempre que um filme começa meio que pela metade, eu fico automaticamente interessada em saber onde aquela cena vai se encaixar ao longo da história que vem a seguir. Tomorrowland começa com Frank falando pra câmera sobre o futuro e sobre como o futuro é assustador. A parte legal é que ele fica sendo interrompido por uma voz feminina, que insiste pra que ele conte a história de um jeito diferente.

Tomorrowland é uma cidade criada por gênios que obviamente pensavam bem além de sua época. Fica numa realidade paralela, e é um lugar onde a ciência e a tecnologia prosperam pra melhorar a qualidade de vida do ser humano.

Tomorrowland

Casey Newton é uma adolescente super interessada em ciência, filha de um engenheiro da NASA. Quando ela percebe que o broche misterioso que apareceu no meio de suas coisas tem o poder de transportá-la para aquele lugar tão diferente, vai atrás pra descobrir mais. É aí que Casey conhece o solitário Frank Walker. Ele é o único que pode ajudá-la a chegar até Tomorrowland, já que passou parte de sua infância lá.

Jack and Casey

O filme é cheio de referências e homenagens à Disney, mas pra mim isso foi o de menos. A história me fez pensar em como somos conformados com as “realidades” que nos são impostas. Uma das grandes mensagens do filme é que se queremos um mundo melhor, precisamos trabalhar para conquistá-lo. Mas as pessoas têm preguiça. Cada vez mais preguiça. Desistem.

Resolvi escrever esse post justamente por causa desse pensamento. Eu vejo muita gente ao meu redor vivendo um dia após o outro. Não porque querem aproveitar o tempo da melhor maneira possível, mas sim porque não pensam além. Como alguém pode viver sem planos, sem pensar no que pode acrescentar de fato à humanidade? Não consigo aceitar isso. Já passei por uma fase em que discutia muito com pessoas próximas sobre esse conformismo todo. Hoje já não faço mais porque percebi que falar não adianta. Preciso fazer a minha parte e tentar provar assim que tudo que fazemos na vida pode ir além. Me perguntam direto sobre meus objetivos com essa ~coisa de internet. Hoje em dia o meu maior objetivo é inspirar os outros. Fazer a minha parte usando os talentos que me foram concedidos, sabe?

Todo mundo é bom em alguma coisa. Se cada um usasse seu talento pra cuidar um pouquinho do mundo, com certeza o nosso conceito sobre futuro seria melhor. Mais sólido. Você já pensou nisso? Eu saí do filme pensando que você provavelmente não pensou.

O sentimento que fica é positivo (não achem que o filme é tão filosófico e inquietante quanto eu estou fazendo parecer – é que esse assunto tá na minha cabeça já faz muito tempo) mas pra chegar nele, o House fala, com sotaque britânico, um monte sobre como as pessoas se afundam na desesperança. Sinceramente não acho nem que seja uma questão de esperança, acho que precisamos mesmo é usar nossos cérebros pra pensar nas coisas. Não é só porque alguém fala que um problema não tem solução que ele realmente não tem solução. Pense.

Tem um momento ainda no comecinho do filme em que a Casey aparece em diferentes salas de aula com a mão levantada, esperando pra fazer uma pergunta. Quando ela finalmente consegue falar depois de ser ignorada por vários professores, ela diz algo parecido com “tá, a situação é ruim mas o que podemos fazer pra melhorá-la?”

Casey Newton

Mas então. O filme é bom! Assistam e deixem as opiniões de vocês nos comentários!


Tags:  Filmes Vida



Cintia Freitas
Sou formada em Tradução e em Marketing, gosto muito de escrever e odeio queijo. Todas as informações são igualmente importantes.




Posts Relacionados




11 Comentários

Jun 20, 2015

O “deixa por isso mesmo” nos dá um retrocesso gigantesco. Imagina como seria o mundo se as pessoas não desistissem ou se empenhassem na busca de uma melhor solução?
Eu não sei, mas muitas coisas bloqueiam essa evolução. Comodidade, desmotivação, falta de oportunidade, crença e cultura (não que isso fosse algo ruim, mas seria um parâmetro de como mudaria a situação do conhecimento) afasta-nos de um universo de respostas louco para ser descoberto e divulgado pelo planeta a fora.
Enfim, achei muito interessante Cintia e boa sorte com o Site!! ^^


Jun 20, 2015

Olá Cintia, o filme parece ser realmente bom e eu amei sua perspectiva sobre ele. Eu tb sempre sinto essa necessidade de mudança, de fazer diferente, algo que mude pra melhor ou acrescente na vida das pessoas, eu ainda não cheguei lá, mas você com certeza sim. Seu trabalho é incrível, você inspira seus seguidores, seus vídeos são engraçados, educativos, falam sobre coisas sérias e eu acho isso incrível. Muitos youtubers só falam futilidades, mas de um jeito engraçado que acaba fazendo sucesso. Você faz muito a diferença, parabéns pelo trabalho, muito sucesso e não desista nunca!!
Beijo e tchau Brasil rs ❤


Jun 20, 2015

Eu vi o trailer e realmente n é meu tipo de filme, mas, fiquei curiosa com a sua leitura sobre ele…mais um texto bem escrito e fluído. PARABÉNS.
P.S e sobre estar tentando ajudar as pessoas com seu dom, sim, vc tá fazendo isso certo. :)


Jun 20, 2015

Não assisti o filme ainda, mas a cerca dessa reflexões filosóficas posso dizer que você tirou as palavras da minha mente!! Penso muito parecido!!


Jun 20, 2015

Sempre penso em como deixar minha contribuição para o mundo. Como ajudar os outros com o que estudo, com o que aprendo. As vezes parece um pouco desconexo ou impossível, principalmente nos dias atuais em que tudo é sempre uma correria. Talvez um dos problemas também seja esse: as pessoas não saberem no que realmente são boas. E por isso precisam de outros que mostre que podem sim ser bom em algo. É muito motivador saber que pessoas como você fazem esse papel :)
Muito boa a reflexão utilizando o filme, agora fiquei curiosa para assistir, rs.


Jun 26, 2015

Eu assisti e senti exatamente a mesma coisa, o filme me deixou com uma sensação que somos todos tão pessimistas, aceitando um futuro horrível só porque nos falaram que seria assim. Se pensássemos mais positivo, com esperança e vontade de mudar, talvez não estivéssemos a beira do apocalipse.


Jun 26, 2015

Muito interessante, mas ainda está só nos cinemas, não dá pra baixar. =(


Jul 01, 2015

Nossa, quero muito ver esse filme!
Quando o Walt Disney idealizou o Tomorrowland, ele pensou que essa parte do parque seria uma parte pra sustentabilidade, uma “cidade perfeita” :O. Mas ele morreu e o projeto acabou se tornando o EPCOT center.
Você tem toda razão quando reflete sobre isso. Mas sabe que eu consigo ver, além da preguiça, uma certa baixa autoestima? Digo isso no sentido de que as pessoas (pelo menos brasileiras) apenas acham que elas não tem possibilidade de mudar elas mesmas,quem dirá o mundo (ou casa, família, cidade). It’s awful indeed :/


Jul 01, 2015

Boa perspectiva.


Jul 26, 2015

Eu gostei muito desse filme, me fez refletir sobre tudo, mas TODAS as pessoas que estavam comigo (meu pai, mãe, irmão, primo, tio e tia) não entenderam nem 10% do que estava acontecendo e disseram q não gostaram, meu pai até entendeu, mas me disse q não gostou, vi avaliações em sites como adorocinema e parece que as pessoas em geral não gostaram muito não, eu fico empolgado com cenas de viagem no tempo, essas coisas típicas desse filme ripo a viagem deles até a torre Eiffel, ele indo até o tomorrowland é muito interessante.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *